Até onde vai a hierarquia no tatame?

Vivemos em uma era de busca por igualdades em nossa sociedade. Os debates se espalham por diversas esferas de nosso convívio social. Discussões sobre racismo, feminismo, causas LGBT etc… geram discursos comumente no sentido de que somos todos iguais.

Não vamos aqui entrar nessa discussão onde cada um tem uma maneira de ver e entender o mundo, porém uma coisa é inegável, a hierarquia está presente no mundo muito antes de estarmos aqui.

Ela é respeitada há milhares de anos, desde os primeiros habitantes, e até hoje é vista como uma coisa extremamente natural, o que nos torna iguais, mas nem tanto.

No mundo animal por exemplo, o mais forte, o mais rápido ou o mais esperto, tende a comandar os outros do grupo. Pense no leão, o mais forte comanda a alcatéia, defende seu território, cobre as fêmeas, até o dia em que fica velho e outro leão mais jovem e mais forte o desafia, tomando o seu lugar. Segundo o psicólogo canadense Jordan Peterson, autor do best seller “12 regras para vida”, até mesmo as lagostas se dividem de forma hierárquica.

Está em todo lugar. Se pensarmos no mundo empresarial, temos uma hierarquia bastante clara. O presidente da empresa, sua diretoria, os cargos de gerência e assim por diante, até chegarmos ao chão da fábrica.

No Jiu-jitsu isso fica evidente devido às faixas coloridas, que mostram exatamente onde o aluno está nesse processo de aprendizado. Nesse caso o faixa preta é o topo da pirâmide, e como em todos os outros exemplos acima, deve liderar e mostrar o caminho para os demais, dar o exemplo e ter a responsabilidade por seus atos.

A questão que se coloca é: nossos faixas pretas sabem exercer essa liderança de forma correta, eficiente e respeitosa?

Acho que podemos aprender bastante com as lideranças empresariais, que antigamente exerciam uma hierarquia controladora e punitiva, e evoluíram para uma liderança muito mais colaborativa. Quando olhamos os escritórios mais modernos do mundo, (Google talvez seja o exemplo mais emblemático) podemos perceber uma clara evolução nesse sentido, onde todos parecem iguais, se tratam com o mesmo respeito e dividem o mesmo espaço, sem que para isso, precise se questionar autoridade e hierarquia.

A ordem e o caos precisam caminhar juntos para seguirmos evoluindo. A rigidez não tem mais espaço em nosso tempo, mas renegar a hierarquia me parece bastante ingênuo e pouco produtivo. Precisamos de um pé no barco da ordem e outro no barco da incerteza, é assim que evoluímos.

Voltando para as academias de Jiu-jitsu, é muito comum professores acharem que educar seus alunos significa humilhá-los, seja mandando pagar as famosas flexões de braço, seja expondo seus erros na frente de toda a turma. Essa demonstração de autoridade é praticada em muitas academias de jiu-jitsu e me parece extremamente equivocada.

Mais uma vez o faixa preta e professor é detentor do conhecimento e autoridade no tatame, e deve passá-lo com o maior respeito possível aos seus alunos. A ordem é inversa ao que se pensa, e se impõe não pelo medo, mas sim pelo carinho e dedicação que tem genuinamente por seus alunos.

Nos tatames existem dois exemplos bastante emblemáticos que gostaria de colocar aqui para uma reflexão: o primeiro é aquele caso onde o tatame está cheio, várias duplas treinam ao mesmo tempo, o faixa preta está treinando com alguém e o treino invade a “área” de outra dupla menos graduada. Quem deveria se mudar para o espaço vazio?

O simples fato da graduação deve ser o que determina, ou deveria ser quem tem mais facilidade pela posição que se encontra? O faixa preta deveria ser o mais gentil e mudar, ou o menos graduado deveria fazê-lo em demonstração de respeito?

Acredito que a situação acima deva ser tratada dentro da academia de forma igual por todas as faixas. O primeiro critério deveria ser que, a dupla que invadiu a área do outro, volte para a sua. No entanto, se existe um clima de gentileza e camaradagem entre todos no tatame, é natural que, caso a dupla invadida perceba que é mais fácil para que eles se movam pela posição que se encontram, isso deve ser incentivado. O que quero deixar claro aqui é que o bom convívio deve ser a premissa para termos um ambiente de aprendizado agradável e de respeito, independente da cor da faixa.

O segundo caso também bem comum, diz respeito a quem chama quem para o treino. Algumas academias proíbem que os menos graduados convidem os faixas pretas para treinar, o que a meu ver é uma regra sem nenhum sentido, pois qual é o tipo de proteção que o faixa preta está impondo a si mesmo?

Não acredito que esse exemplo de escolher com quem treinamos seja bom para nosso desenvolvimento. Minha sugestão é para que isso seja livre, e que as pessoas também tenham o direito de declinar ao convite caso não se sintam confortáveis, e isso deve valer para todos independente da graduação.

Porém nesse caso tenho uma observação importante a fazer: o professor cuidadoso é aquele que coloca as duplas de acordo com a necessidade da evolução dos alunos, e quando isso é feito, o aluno deve seguir a orientação independente da sua faixa.

Ser faixa preta não o torna melhor ser humano do que ninguém. Muitas vezes como no caso do leão velho, nem mesmo no jiu-jitsu você será melhor, logo a coisa mais acertada que você pode fazer como faixa preta é tratar seus alunos de forma igual, com respeito, entendendo que eles estão te dando a honra de aprenderem com você, e o privilégio é seu de tê-los em seu tatame.

Não se coloque acima de ninguém, você deve ser o que protege o ambiente, o tornando cada vez mais agradável. Pratique a gentileza sempre, faça seu aluno e todos à sua volta se sentirem em casa, onde eles podem errar sem serem criticados, podem fracassar sem serem humilhados, podem questionar sem serem calados.

Faça de seu tatame um ambiente de aprendizado e desenvolvimento humano.

Respeite a todos sem fazer distinção.

Seja um faixa preta de verdade.

Um abraço

 

Fabio Gurgel

8 opiniões sobre “Até onde vai a hierarquia no tatame?

  • 14 de outubro de 2019 em 17:12
    Permalink

    Sensacional como sempre mestre 👊

    Resposta
  • 14 de outubro de 2019 em 17:45
    Permalink

    ! O sucesso mora no detalhe,“ lectures “ como essa ilustram muito bem, a postura e mentalidade, da nossa casa . Liderança e respeito nao são imposições, são produtos da conquista.
    E isso vem sendo claramente evidenciado através da trajetória da nossa casa ALLIANCE 🦅
    Parabens a todos que la habitam , em especial a voce nosso sempre General e amigo Fabio Gurgel
    OSS

    Resposta
  • 15 de outubro de 2019 em 03:46
    Permalink

    Como aquele velho ditado, é respeitando que se é respeitado! Simples assim.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.